Ponto de Vista - Vincent Menu (Itù-Brazil)

Vincent Menu é diretor geral da CIS, a autarquia de água e esgoto de Itu. Ele responde diretamente ao prefeito da cidade.

Suas missões giram em torno da Gestão das Operações, com o objetivo principal de garantir a continuidade do Serviço, pois esse tem sido um problema importante no passado ainda recente.

Restaurar a confiança dos cidadãos é uma questão importante do atual mandato e a comunicação com eles é, portanto, uma missão de particular importância.

Qual é o leque de competência que a Autarquia gerencia?

Hoje, a autarquia possui todas as competências para a gestão do ciclo da água. No Brasil, as Autarquias de Agua e Esgoto também possuem as responsabilidades dos Resíduos sólidos e das Águas da Chuva em uma competência conhecida como Saneamento, definida pela Lei Federal.

Esse ainda não é o caso da Autarquia de Itu, porque tivemos muitos grandes novos desafios com a retomada da gestão da água e do esgoto que havia sido delegada a um operador privado até 2016. A gestão dos resíduos e das águas pluviais é feita diretamente pelas equipes municipais.

Mais especificamente, somos responsáveis pela captação e tratamento da água bruta, pela distribuição e controle da água potável e, finalmente, pela coleta e tratamento dos esgotos. Garantimos a conformidade com os padrões do país.

Quais desafios seus serviços enfrentam atualmente?

Estamos no meio de uma crise de coronavírus, então sua pergunta me faz sorrir. De fato, meus desafios do momento são um pouco especiais!

Toda a energia das equipes da autarquia é dedicada a garantir a continuidade do serviço. Isso inclui proteger as equipes no trabalho e monitorar de perto nossos fornecedores (especialmente aqueles que nos fornecem produtos químicos para tratamento de água).

Se eu voltar aos nossos desafios do atual mandato de quatro anos, eles estão fortemente ligados à transição de uma gestão privada para uma gestão pública com altas expectativas da população em termos de serviço e transparência. Era necessário restaurar a continuidade do serviço com qualidade e recuperar a confiança dos usuários.

Os desafios operacionais, portanto, concentraram-se em investimentos que proporcionam recursos sustentáveis e no fortalecimento da manutenção de instalações em condições bastante precárias.

Os desafios operacionais, portanto, concentraram-se em investimentos que proporcionam recursos sustentáveis e no fortalecimento da manutenção de instalações que estavam em péssimas condições

Como o aplicativo BluSpark será usado para enfrentar esses desafios?

O Bluspark será uma ferramenta essencial para melhorar a confiança do público em nossa autarquia e melhorar a transparência de nossa atividade. Esta é uma questão fundamental para nós hoje!

Será um novo canal de contato com os cidadãos. Bluspark nos permitirá comunicar diretamente com os usuários por nossa iniciativa e de maneira focada. Isso não existe no Brasil, pelo menos não como Bluspark oferece, e vemos isso como uma ótima ferramenta para criar confiança.

O aplicativo nos permitirá também coletar solicitações de usuários, além dos processos já implementados, incluindo nosso call center. As possibilidades do aplicativo em termos de resposta e diálogo que são compartilhados com o cidadão também criam transparência.

Você considera isso uma grande mudança na maneira de trabalhar?

Não, não esperamos grandes mudanças para nossa organização. O Bluspark se integrará aos nossos processos operacionais já existentes sem que tenhamos que revisá-los.

O que o convenceu a escolher nossa solução?

Muito claramente, o fato de se engajar com uma empresa francesa que promove uma solução inovadora foi um fator-chave em nossa tomada de decisão.

Também mostra aos cidadãos de Itu que sua autarquia está atenta a soluções inovadoras que funcionam e tem uma abordagem proativa.

O envolvimento com uma empresa francesa que promove uma solução inovadora foi um fator-chave em nossa tomada de decisão

Você tem preocupações para a implementação do projeto? Você espera resistências específicas?

Do ponto de vista humano, não espero ter resistência, muito pelo contrário! Minha equipe é relativamente jovem e foi constituída há pouco tempo. Eles são proativos e querem fazer o melhor uso possível do aplicativo Bluspark.

Seria mais do ponto de vista técnico que tenho algumas apreensões e, em particular, a capacidade de Bluspark em “comunicar” com Sansys, nosso sistema interno de gestão de clientes e de intervenções.

O trabalho deve ser realizado entre as equipes francesas da Bluspark e as brasileiras da JTECH (editora da Sansys); e nesses projetos multiculturais, nada é óbvio.

Qual foi a recepção do aplicativo em sua organização? Como você qualificaria os primeiros passos com a equipe Bluspark?

Os primeiros contatos e depois os primeiros meses de trabalho com a equipe Bluspark foram muito bons e de ótima qualidade. Desde o início, vocês foram reativos, atentos às nossas necessidades, construtivos e capazes de rapidamente desenvolver soluções.

As equipes, o prefeito, todos estão entusiasmados com a idéia de lançar o Bluspark em Itu!

E nessa situação de confinamento, fica claro que o aplicativo Bluspark seria de grande utilidade para nós!

Que evoluções você imaginaria com o aplicativo? (novas funcionalidades, novas maneiras de utilizá-lo)

Vários desenvolvimentos são possíveis, tanto em termos da abrangência do uso quanto de novas funções.

Estou pensando em integrar as chamadas telefônicas recebidas no nosso call-center no aplicativo. Ou estender o uso do aplicativo em outros assuntos geridos pela Prefeitura.

Acredito também que Bluspark seria provavelmente muito útil para a gestão de bacias hidrográficas que envolvem associações de vários agentes locais.

Seria uma boa ferramenta para uma melhor coordenação e ajudar a detectar e relatar mais rapidamente do que hoje a poluição dos rios, em particular. 

Obrigado !

Você gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email